Um instrumento que visa o planejamento a curto, médio e longo prazo e seus efeitos para a conformidade.

 

Na colonização do Brasil, as regras de navegação portuguesa exigiam, sob pena grave, que os navios viajassem diretamente de Lisboa ao Brasil [1]. Naquela época o plano de navegação não tinha condições de ser detalhado, mas já podíamos notar um planejamento para que tal exigência fosse cumprida. Hoje, com a tecnologia, o plano de navegação ficou ainda mais preciso, diminuindo as intercorrências e otimizando as viagens. 

Semelhante ao plano de navegação, ou até um plano de voo, um plano de negócios tem como objetivo garantir o conhecimento prévio das informações relativas à atividade que se pretende desenvolver. Estes planejamentos aumentam a segurança e eficiência da atividade. 

Notadamente um plano de negócios, em um primeiro momento, expõe a viabilidade do negócio. Um modelo básico trará informações sobre ramo de mercado, produtos (ou serviços), clientes, fornecedores, concorrência, pontos fortes e fracos do negócio. Neste momento se define a missão, visão e valores da empresa que nasce (mas nada impede que uma empresa que já atue no mercado faça um plano de negócios para decidir sobre sua manutenção e/ou ampliação). 

A atualização do Plano de Negócios é importante, este é um documento vivo, que precisa estar organizado para consulta, quando necessário para tomada de decisão. Assim como o Programa de Compliance também serve para apresentação para novos sócios e investidores, para estabelecer parcerias com novos fornecedores e clientes ou até mesmo para parceiros financeiros, para solicitação de financiamentos, por exemplo. 

Segundo o professor Fábio Ulhôa Coelho, a função social da empresa estará satisfeita quando houver criação de empregos, pagamento de tributos, geração de riqueza, contribuição para o desenvolvimento econômico, social e cultural do entorno, adoção de práticas sustentáveis e respeito aos direitos dos consumidores [2]. 

Para que todos os aspectos de uma organização se desenvolvam para que sejam cumpridos tais objetivos e seja garantida sua continuidade, destacaremos três temas: Plano de Negócio, ESG e Governança Corporativa. Os dois últimos temas serão discutidos nas próximas publicações. 

 

[1] 1º Simpósio Brasileiro de Cartografia Histórica, 2011, Rio de Janeiro. Anais do I Simpósio Brasileiro de Cartografia Histórica. Rio de Janeiro: Centro de Referência em Cartografia Histórica da Universidade Federal de Minas Gerais, 2011. Tema: As rotas marítimas do Brasil colônia, os suprimentos e as mercadorias a bordo. Inclui bibliografia. 

[2] COELHO, Fábio Ulhôa. Princípios do direito comercial. São Paulo: Saraiva, 2012, p. 37.